I say blog!
  • 01
  • fev

Sibutramina – secretaria divulga alerta aos médicos

Por Carmem Moraes, em Medicamentos.

medico Sibutramina   secretaria divulga alerta aos médicos

A polêmica sobre o medicamento para emagrecer sibutramina continua. Na sexta-feira, a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo publicou, no Diário Oficial, um alerta sobre o uso do remédio.

Atualmente, a sibutramina está proibida na Europa desde o início da semana. O alerta é dirigido a profissionais de saúde e a pacientes que já utilizam a substância.

O Centro de Vigilância Sanitária da secretaria recebeu, entre os anos de 2005 e 2010, 35 notificações classificadas como grave para suspeita de reações adversas envolvendo o medicamento sibutramina.

Destas, um total de 17 notificações citavam reações cardiovasculares, que envolviam taquicardia, parada cardiorrespiratória, dor no peito, aumento da pressão arterial, arritmia, bradicardia e palpitação cardíaca. Porém, nenhuma notificação resultou em morte.

Entre as medidas descritas na publicação, está a orientação para que os médicos prescrevam o medicamento somente para pacientes obesos ou com sobrepeso, com índice de massa corporal maior que 30 kg/m2.

Além disso, devem ser maiores de 16 anos e não apresentem risco cardiovascular conhecido, entre eles doença arterial coronariana (ataque cardíaco, angina), histórico de acidente vascular cerebral, arritmias cardíacas, falência cardíaca congestiva, doença arterial periférica e hipertensão não controlada.

Também é recomendado que pacientes em tratamento com medicamento contendo sibutramina procurem seu médico para discutir possíveis alternativas terapêuticas.

“Esse alerta será repassado para profissionais de saúde para que a prescrição do medicamento possa ser diminuída”, afirma Adalton Guimarães Ribeiro, diretor técnico de Farmacovigilância.

Mais

A sibutramina foi desenvolvida na década de 80, como antidepressivo, agindo em áreas do cérebro que controlam não somente o humor e sensação de bem estar, como também o apetite.

No Brasil, é classificada como medicamento sujeito a controle especial (Portaria 344/98) e a sua venda exige a retenção de uma via da receita nas farmácias e drogarias.

O estudo Scout (Sibutramine Cardiovascular Outcomes)  demonstrou aumento do risco cardiovascular não fatal nos pacientes tratados com a substância.



1 Comentário Publicado por Carmem Moraes
Tags associadas ao artigo: , , , .
Outros artigos:

Artigos relativos a "Sibutramina – secretaria divulga alerta aos médicos"

  • Sibutramina permanece liberada para venda no Brasil
    Sibutramina permanece liberada para venda no Brasil

    A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deu sinal verde e manteve a licença para a continuidade da comercialização da droga sibumtramina, utilizada para emagrecer. A agência contrariou o parecer [...]


  • Sibutramina não pode ser usada em alimentos
    Sibutramina não pode ser usada em alimentos

    A sibutramina, substância usada em medicamentos para emagrecer, e não pode ser usada em alimentos, mesmo aqueles com o rótulo ligado a fitness. Devido a riscos para a saúde, demonstrados [...]


  • Anvisa alerta sobre uso da sibutramina
    Anvisa alerta sobre uso da sibutramina

    A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou hoje um alerta para os profissionais de saúde sobre o uso da substância sibutramina no Brasil. A realização de um estudo, denominado [...]



Comente:

1 comentrio su "Sibutramina – secretaria divulga alerta aos médicos"

  1. [...] o mesmo resultado. Dos doentes submetidos à ablação apenas 4,9% tiveram intercorrências, como infarto e a própria arritmia contra 8,8% dos que foram tratados com medicamentos. Os dados mostram também [...]


Imagens

3maçã
Progeria
Ambiente saudável
Medicamentos

Feed RSS

Mantenha-se sempre atualizado, assine agora o Feed Rss.

Cadastre-se & Login

Cadastre-se e identifique os seus comentários.

Newsletter

Cadastre-se para receber todos os novos posts do blog:





© Corpo Saun, is part of the network IsayBlog! whose license is owned by Nectivity Ltd.